FELIZ NATAL!


A comemoração do Natal em 25 de dezembro, sabemos nós, não se dá na data do nascimento de Jesus, mas numa data escolhida e determinada pelos imperadores da igreja romana, no ano 320, sobre uma data de uma das festas pagãs.

Mas como o destino sempre leva o andante ao encontro de si mesmo, literalmente, na atualidade, o Natal tornou-se uma festa “pagã”.

Jesus foi substituído por um personagem fictício, o Papai-noel, símbolo do consumismo e imagem do deus Mamon, o deus do dinheiro que a humanidade adotou em substituição ao Deus verdadeiro.

A fantasia tomou conta da verdade, a ilusão substituiu a realidade. E a humanidade adotou a fantasia, por ser mais fácil mascarar do que encarar, estudar e compreender a verdade.

Como desejar, assim, um Feliz Natal sem uma dose de hipocrisia?

Quem pode ser feliz afastado de Deus?

A felicidade é a paz de estar em coerência com nossa natureza espiritual.

Essa felicidade experimentada na fantasia não passa de momentânea alegria, talvez algum espasmo de felicidade aqui e ali entre as alegrias dos encontros e a generosidade expressada nos presentes, mas que se apaga como um relâmpago deixando escura ressaca no passar dos dias.

A saudade que fica é ressaca do vazio que se abre na alma quando a experiência é incompleta, ou fantasiosa ilusão. O ser que vive em coerência com sua natureza espiritual experimenta outro tipo de “saudade” – a plenitude!

A verdade do Natal é a comemoração do nascimento do Cristo, como Jesus na Terra, que, embora comemorada em data simbólica mantém o seu significado real.

Portanto, o meu desejo nesse Natal de 2017, é que você viva em coerência com a sua natureza espiritual, que experimente a sensação do desapego das ilusões e vá ao encontro daquele que é o real motivo dessa comemoração; assim a sua experiência de felicidade se aproximará da real.

Que você seja realmente feliz, que haja paz na sua consciência!

Luìz Trevizani - 24/12/2017