METÁFORAS PARA QUEM SE PROPÕE AJUDAR


A humanidade amadurece no coração do ser humano que se humaniza, e o ser humano humanizado pensa antes de falar; ele examina cada palavra e seu tom antes de pronunciá-la; caso ela possa ferir os ouvidos de quem a escuta, ele se cala até conseguir alcançar a nota que dá harmonia à palavra.

O coração sente, a mente racionaliza, a palavra leva a mensagem do coração e da mente – “Onde está o teu coração, ali está o teu tesouro”.

"Antes que os olhos possam ver, devem ser incapazes de lágrimas. Antes que o ouvido possa ouvir, deve ter perdido a sensibilidade. Antes que a voz possa falar na presença dos Mestres, deve ter perdido a possibilidade de ferir. Antes que a alma possa erguer-se na presença dos Mestres, é necessário que seus pés tenham sido lavados no sangue do coração". - Luz no Caminho, Mabel Collins.

Antes de falar, para ensinar, instruir e orientar, é preciso escutar as próprias palavras; para escutar as próprias palavras, é necessário silenciar a mente turbulenta e desejosa.

Antes de ajudar o semelhante, é preciso examinar de onde surge o impulso - do coração, ou do ego da personalidade?

Quando a personalidade aparece a frente da mensagem, fuja do mensageiro, pois ele visa apenas usar os seus olhos, os seus ouvidos e a sua mente para alcançar auto projeção, poder e dinheiro.

O tom ameaçador das palavras impõe medo, e o ser fragilidade pelo medo busca desesperadamente esperança de salvação depositando, no seu guru, todas as suas fichas e ficando à mercê de suas fórmulas salvadoras. É como cair numa armadilha de caça.

Se prometes solucionar os problemas dos outros com a sua fórmula mágica, se prometes aliviar as responsabilidades dos outros liberando-os do seu carma, assim também assumirás o seu carma para ti (entenda o carma como reflexo da lei de causa e efeito).

Toda vez que indicares uma única fórmula suprimindo o livre arbítrio e a responsabilidade de escolher de um ser humano, trazes para ti as consequências desse ato.

A arte de ajudar implica despertar a consciência do ser, para que, ele próprio aprenda a discernir e a fazer as escolhas que gerem resultados mais positivos em sua vida. Nenhum ser humano pode caminhar o caminho do outro.

A palavra suave, pronunciada com sentimento e compaixão, acalma instantaneamente e permite a reflexão de quem a escuta, despertando a consciência para tomada de posse de si, para desenvolver habilidades mentais e emocionais para vencer os desafios da vida com total responsabilidade por seus atos.

Reflete, pois, em ti mesmo cada pensamento, palavra, emoção, sentimento e desejo teu, antes de agir. Reflete, pois, em ti mesmo o sentimento alheio ante as tuas próprias palavras, antes de as pronunciar.

Luìz Trevizani – 18/03/2018