Nós falamos muito em mudar. Pensamos e logo nos damos conta que nosso pensamento não foi legal, e queremos mudar o pensamento. Nos envolvemos numa emoção de raiva violenta, depois refletimos sobre nossa atitude e seu comportamento derivado, e queremos mudar. Mas isso é possível?

A Roda da Vida nos lembra dos movimentos constantes e como eles nos afetam. Mas nós não observamos nada e seguimos fazendo as mesmas coisas de sempre - pensando e deletando pensamentos. Ou melhor, acreditando ingenuamente que podemos deletar alguma coisa para sempre. Pura ilusão.

O pensamento, a emoção, o sentimento, a atitude e o comportamento ocorridos, estão registrados nos arquivos da memória universal para sempre, e não tem como deletar.

Nós estamos escrevendo a nossa história constantemente e deixando os seus registros em alguma gaveta do universo. Como seria bom se pudéssemos encontrar aquela gaveta da vergonha e destruir ela para sempre! Mas existe uma lei que diz que nada pode ser destruído, apenas as coisas se transformam, isto é, mudam de forma e permanecem para sempre, pois todas as coisas são feitas dos mesmos princípios quânticos, átomos e outras coisas do gênero.

Então você pensa, e agora o que eu faço com as coisas que eu fiz no passado e me envergonham? Bem, a resposta é simples, recupere elas e ressignifique, pois elas não deixarão de existir como eventos registrados no banco de dados da memória universal. Mas elas podem ser úteis como referências para melhorar as coisas futuras. Sinto muito!

Isso nos revela como é importante pensar bem, isto é, ter pleno domínio sobre nosso gerador de pensamentos. Pensar bem significa estar consciente de cada pensamento, antes de gerar ele. Mas como isso é possível? Bem, aí nós entramos em um terreno ainda desconhecido e impossível para nós.

Mas, se não podemos melhorar nosso gerador de pensamentos, se não podemos escolher o que pensar antes de gerar o pensamento, pois isto está fora de nossas possibilidades ainda devido as limitações de nossos sentidos pela matéria, pelo menos nós podemos escolher qual atitude e comportamento assumir depois de ter gerado o pensamento. Nosso gerador de pensamentos funciona no piloto automático e não temos controle sobre ele, mas podemos ter controle sobre as ações derivadas do pensamento.

E assim, entre erros e acertos nós vamos aprendendo que, apesar do sacrifício, ainda é melhor parar de girar na "roda da sorte e do azar", e entrar definitivamente na "roda da vida". Em termos bem simples, é melhor entrar no círculo virtuoso da roda da vida que permanecer no círculo vicioso da roda da sorte e do azar.

E para isso, precisamos nos tornar conscientes de nossos potenciais criativos, desde o pensamento até a materialização da ideia.

Luìz Trevizani - 29/12/2021