Sidebar Menu

O potencial do ser humano é sempre maior que ele imagina. O grande problema acontece quando ele precisa largar os apoios externos, para se apoiar em si próprio. Este é o momento do impasse, e sempre que ele acontece só há duas possibilidades - avançar para o auto-apoio, que é amadurecimento, ou retroceder e permanecer se apoiando nos outros, que é imaturidade.

Amor e medo são as duas forças que movem o ser humano; a humanidade. Ou nos movemos pelo amor ou pelo medo, nunca pelos dois ao mesmo tempo. Quando um aparece o outro sai, porque os dois são incompatíveis entre si. Onde há medo é porque o amor deixou de estar; onde o amor entra o medo desaparece. Mesmo que haja amor no ser humano, ao surgir o medo ele se esquece do amor e se fecha em si, tornando-se egotista, com exagerado sentimento de seu eu. 

A depressão está sendo considerada e tratada como uma doença humana do mundo moderno, quase uma epidemia, pois está presente na vida de ricos e pobres, de pessoas bem sucedidas ou fracassadas, de pessoas bem ou mal nutridas sem uma lógica racional aparente.

Qual será a diferença entre a bênção do Papa e a minha?

Um tanto a mais de coração puro, de amor incondicional que ainda não possuo. Não por ser ele o Papa, porque houveram outros Papas que não passaram de políticos ocupando o poder religioso mais cobiçado do planeta, mas pelo ser humano que ele é, pelo espírito que é se refletindo numa alma carismática que transborda compaixão. A transparência é evidente em seu olhar revelando as qualidades da alma, e as suas palavras são simples, sem aquele tom político e diplomático para agradar autoridades, mas diretas e leves.

“Somos hoje herdeiros positivos dos reflexos de nossas experiências de ontem, com recursos para alterar-lhes a direção à verdadeira felicidade” – Emmanuel/Chico Xavier

A vida nos propõe e nós escolhemos. Todas as nossas escolhas se resumem a duas possibilidades apenas – aquela que nos eleva à felicidade; aquela que nos mantém prisioneiros das ilusões gerando sofrimento. Escolhemos seguir nossa essência em busca da felicidade ou nos afastar de nós em busca de objetos.