A pergunta remete ao que importa saber sobre si mesmo; mais especificamente sobre os potenciais imanentes e o destino traçado pela vida. Todos os nossos questionamentos sobre o sentido da vida são possíveis de serem respondidos, quando temos acesso aos conhecimentos das ciências e das filosofias.


A vida vibra em todas as formas e manifestações da natureza, em variados graus e níveis de consciência. O sentido que você dá à vida está em proporção da sua capacidade de dar respostas a ela; de sua aceitação das suas proposições. A vida propõe; ela mesma é uma proposta de expansão da consciência, pelos contrates das experiências que lhe dão o colorido. Você pode aceitar ou resistir, mas nada vai mudar nos planos da vida, se você não der sentido a ela.

Assim como uma faca pode ser perigosa, ou não, dependendo do seu manejo e uso, o ego humano também pode ser útil ao bem maior, como pode se tornar causa de queda moral do ser humano quando ele é o centro dos desejos inferiores. O ego é importante parte na estruturação da personalidade, tem função importante como referência na autoestima, mas também serve de alavanca para o egoísmo quando a consciência está imersa no pântano das ilusões.

Parece que uma parte da humanidade está caindo no buraco negro da estupidez e da idiotização, sem se darem conta disso. Literalmente, estamos diante da possibilidade de escrevermos a nossa história da maneira mais sórdida que nos envergonhará no futuro, nas próximas gerações.

Numa vida sem sentido, anoitece e amanhece sucessivamente a mesma rotina repetitiva dos mesmos eventos, e nada de novo acontece; as circunstâncias dominam a vontade e o ser humano se torna escravo de desejos e fantasias. Aquilo que é no presente está enraizado no passado e nós, frequentemente, lutamos contra aquilo que não podemos mudar e nada fazemos para mudar a nossa posição diante do imutável.