Sidebar Menu

Continuamente, nós fazemos campanhas de combate contra isso e aquilo, campanhas contra a violência, contra a corrupção, contra doenças... Mas tudo o que vai contra encontra a mesma coisa a que se opõe, e as forças opostas se multiplicam na mesma ação em lados opostos. Essas campanhas serão inúteis enquanto não surtirem os mesmos efeitos almejados lá fora, aqui dentro de nós. Seus efeitos positivos lá fora, são mais aparentes que reais; só transferem a ação combatida de um campo para outro campo – moraliza aqui corrompe-se lá, pacifica aqui aparece violência lá, cura aqui adoece lá.

A emoção que abafa a razão é aquela desperta as paixões arrebatadoras e os instintos mais primitivos no ser humano, movendo respostas reativas e impulsivas e ativando o corpo emocional de dor ou alegria conforme o seu padrão e a ocasião. Toda emoção deve amadurecer na razão antes de ser expressada, para dar tempo de equilibrar sua impulsão conforme a situação solicita.

O universo mental é um campo de energia sem limites. Constituída de diferentes níveis, a mente ainda é pouco conhecida na sua real dimensão e alcance. Conhecendo mais desse complexo sistema e o seu mecanismo do pensar auxilia-nos a lidar de maneira mais eficaz tanto com os pensamentos, como com as sensações, as emoções e os sentimentos.

Ética é mais que o assunto do momento, é a questão mais importante a ser resolvida no mundo atualmente. Nossa inteligência teve grande impulso no seu desenvolvimento a partir do último século, o que nos habilitou a receber, desenvolver e fazer uso das mais avançadas tecnologias. Isso implica desenvolver o senso ético para o bom uso dessas tecnologias a serviço do bem e da sustentabilidade da vida humana no planeta.

Nós sofremos, adoecemos e atraímos conflitos e eventos desastrosos porque não conseguimos honrar minimamente a pauta ética da nossa alma. Quantos desmandos nós levamos à prática fulminando o senso ético da alma! No jogo proposto pelo ego, nós abrimos mão da ética para ganhar alguma vantagem momentânea, esquecendo que a alma não se engana.